Projetos CABEM mais vidas e RECABEM

A Rede Paulista de Câncer de Bexiga (RECABEM) propõe modelo europeu de centralização e prevê redução da mortalidade utilizando os recursos já disponíveis
Os números falam por si: em um ano e meio, a mortalidade decorrente do tratamento de Câncer de Bexiga na região do ABC Paulista caiu de 37% para 3% sem investimento público. Em centros de referência dos Estados Unidos, por exemplo, a mortalidade é de cerca de 5%.  O tempo médio de internação hospitalar no ABC caiu de 14 dias para 5. Esses resultados ocorreram após a implementação do projeto sem fins lucrativos CABEM Mais Vidas, iniciativa da equipe médica da Disciplina de Urologia da Fundação do ABC, liderada pelo cirurgião urologista Dr. Fernando Korkes.Com os resultados do projeto, ele cresceu e se tornou o RECABEM, Rede Paulista de Câncer de Bexiga, visando reduzir os índices de mortalidade pela doença em todo o Estado de São Paulo em mais de 10 vezes e o tempo de internação hospitalar pela metade.O projeto consiste na otimização de gestão de infraestrutura e protocolos, utilizando o  orçamento público já alocado para a doença. Uma das principais ações para conseguir os resultados é a redução dos centros de atendimento em 80%, de forma que os pacientes do SUS no Estado serão progressivamente atendidos por um corpo clínico mais especializado em bases permanentes, assim como centros médicos de alta especialização na doença. O projeto segue o modelo de centralização do tratamento de doenças complexas semelhante ao implementado em países como o Reino Unido e a Alemanha (país no qual 100% dos pacientes são tratados em apenas três centros de alta complexidade).

Abaixo entrevista em que pudemos apresentar os projetos através do canal de TV Rede Século 21: