Cálculo no ureter

A complicação mais frequente da calculose renal, sem dúvida é a ureterolitíase. A migração de um cálculo do rim para o ureter é a causa responsável pelas cólicas renais na grande maioria dos casos. E o que fazer frente a uma cólica renal? Inicialmente, a medida mais importante é o tratamento da dor, com medicações e medidas apropriadas. O passo seguinte, é estabelecer o diagnóstico preciso, se há um cálculo, quais suas características, qual sua localização. A partir de então, deve-se definir qual das três possibilidades de tratamento está melhor indicada na situação específica em questão:

1- acompanhamento clínico, associado a medicações para alívio de dor e para auxiliar na eliminação do cálculo;

2- tratamento endoscópico, com o objetivo de retirar o cálculo e/ou fragmentá-lo atavés de energia a Laser; pode-se utilizar o ureteroscópio convencional (ou semi-rígido) ou ureteroscópio flexível, dependendo da situação.

3- tratamento através de litotripsia extracorpórea por ondas de choque (LECO)

Um ponto essencial que deve ser salientado é a importantancia de certificar-se de que não haja sinais de infecção (febre, mal estar, redução da pressão arterial, taquicardia, alterações no exame de urina). A obstrução das vias urinárias quando associada a infecção, torna-se um problema extremamente grave, e deve ser tratado imediatamente. Outro ponto importante, são os limites do tratamento. Deve-se tomar cuidado para não ocorrer comprometimento da função do rim, quando ele fica obstruído por um período excessivamente longo.

Nas situações em que as cólicas renais ocorrem repetidamente, são muito intensas, em que há uma baixa probabilidade de eliminação do cálculo espontaneamente, ou quando há compromissos sociais importantes previstos (ex.: viagens, casamento, etc.), o tratamento através de intervenção endoscópica deve ser realizado.

Frente a uma situação de cálculo no ureter, entre em contato com seu urologista para definir o melhor tratamento e evitar complicações.

Mais informações científicas sobre este tópico:

http://www.jbn.org.br/detalhe_artigo.asp?id=10